Prorrogação da Jornada de Trabalho em Atividade Insalubre


O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), por meio da Portaria MTE nº 702/15, publicada no DOU de 29/05/2015, estabelece requisitos para a prorrogação da jornada em atividade insalubre.

Assim, nas atividades insalubres, quaisquer prorrogações de jornada só poderão ser praticadas mediante autorização da chefia da unidade de segurança e saúde no trabalho da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego correspondente.

O pedido de autorização para a prorrogação de jornada em atividade insalubre deverá ser apresentado com as seguintes informações:

a) identificação do empregador e do estabelecimento, contendo razão social, CNPJ, endereço, CNAE e número de empregados;

b) indicação das funções, setores e turnos cuja jornada será prorrogada, com o número de empregados alcançados pela prorrogação;

c) descrição da jornada de trabalho ordinária e a indicação do tempo de prorrogação pretendido; e

d) relação dos agentes insalubres, com identificação da fonte, nível ou concentração e descrição das medidas de controle adotadas.

Salientamos que o art. 3 da Portaria MTE nº 702/15 dispõe que a análise do pedido deve considerar o possível impacto da prorrogação na saúde dos trabalhadores alcançados.

O deferimento do pedido está condicionado ao atendimento dos seguintes requisitos:

a) inexistência de infrações às Normas Regulamentadoras que possam comprometer a saúde ou a integridade física dos trabalhadores;

b) adoção de sistema de pausas durante o trabalho, quando previstas em Norma Regulamentadora e as condições em que são concedidas;

c) rigoroso cumprimento dos intervalos previstos na legislação; e

d) anuência da representação de trabalhadores, por meio de Acordo ou Convenção Coletiva de Trabalho.

Os pedidos de empregadores que apresentarem números elevados de acidentes ou doenças do trabalho devem ser indeferidos.

Não será admitida prorrogação em atividades com exposição a agentes, cuja caracterização da insalubridade se dá por meio de avaliação quantitativa, salvo em situações transitórias, por curto período de tempo e desde que sejam implementadas medidas adicionais de proteção do trabalhador contra a exposição ao agente nocivo.

A análise do pedido será feita por meio de análise documental e consulta ao sistema de informação da inspeção do trabalho, referente a ações fiscais anteriormente realizadas e, caso seja necessário, complementada por inspeção no estabelecimento do empregador.

Ressalta-se que, a validade da autorização será determinada pela autoridade que a conceder, nunca superior a cinco anos.

Por fim, a autorização deve ser cancelada:

- sempre que for verificado o não atendimento às condições estabelecidas nas alíneas descritas anteriormente;

- quando os pedidos de empregadores que apresentarem números elevados de acidentes ou doenças do trabalho devem ser indeferidos; ou

- em situação que gere impacto negativo à saúde do trabalhador.

A Portaria MTE nº 702/15 entra em vigor na data de sua publicação no DOU, ou seja, 29/05/2015.


₢ 2018 - Todos os direitos reservados
Desenvolvido por Monica Ferraz de Almeida