Turbulência política adia o cronograma do eSocial


O coordenador do eSocial pelo MTE, José Alberto Maia, admite que haverá um novo adiamento no eSocial. Em entrevista a Revista RH, o executivo destaca que o eSocial é um projeto dinâmico e, após implantado, sempre que necessário, sofrerá adaptações a fim de atender novas necessidades de informações e de fiscalização por parte dos entes do governo envolvidos no projeto. Segundo ainda Maia, não será possível cumprir os prazos que foram previstos no cronograma atual para o início da obrigatoriedade do eSocial, que é setembro deste ano de 2016 para as empresas de faturamento acima de R$ 78 milhões em 2014 e de janeiro de 2017 para as demais empresas e um novo cronograma será divulgado. As turbulências da economia e da política impediram, de acordo com Maia, que o cronograma antes previsto fosse cumprido. A nova etapa, explica ainda Maia, terá de ser fixado por meio de uma resolução do Comitê Diretivo do eSocial, que é composto pelos Secretários Executivos dos entes envolvidos. Sendo assim, não podemos ainda divulgá-lo, entretanto, podemos adiantar que os prazos serão prorrogados em aproximadamente um ano em relação ao cronograma atual. Na entrevista, o executivo garante que o odelo de escalonamento será mantido, seja em relação ao faturamento, ou em relação aos eventos de SST, para os quais é muito importante um tempo maior para a adaptação. Talvez seja revisto apenas o ano de parâmetro com relação ao faturamento de R$ 78 milhões de 2014 para 2015, mas isto ainda não está fechado. Também admite que será publicada uma nova versão do leiaute, assim como do manual.

Fonte: Revista RH


₢ 2018 - Todos os direitos reservados
Desenvolvido por Monica Ferraz de Almeida